Nova sequência de proteínas pode melhorar o diagnóstico da Melioidose

Uma equipe formada por cientistas de vários países liderados pelos da Universidade de Medicina de Graz, na Áustria, desenvolveram e validaram uma nova sequência de proteínas que pode melhorar o diagnóstico de melioidose por sorologia. Em diversas regiões tropicais e subtropicais do globo a bactéria Burkholderia pseudomallei é responsável pela infecção ambiental por melioidose com alta taxa de letalidade.

No entanto, até agora tem sido grande a dificuldade em detectar diretamente os agentes patogênicos através de anticorpos por falta de sensibilidade, especificidade e padronização dos testes, deixando a desejar o diagnóstico mais preciso nas áreas endêmicas. Cientistas têm procurado então um teste de laboratório clínico que, ainda que indireto, seja sensível aos anticorpos da B. pseudomallei.

Entretanto, através da análise de 196 amostras de soro e de plasmas de pacientes com a doença no nordeste da Tailândia e 210 controles negativos de regiões endêmicas e não-endêmicas, os pesquisadores conseguiram desenvolver uma micro-sequência (microarray) de proteínas que podem ser utilizadas no formato padrão de 96 poços. A matriz contém 20 proteínas B. pseudomallei recombinantes e purificadas, previamente identificadas como candidatas sorológicas para melioidose.

A matriz de proteínas teve uma especificidade de 97% na discriminação entre os soros de pacientes com melioidose e os controles negativos, mas também mostrou ser muito mais sensível do que a hemaglutinação indireta (IHA) em pacientes de mieloidose em admissão. Testes individuais de sorologia em pacientes com zero, 12 e 52 semanas de admissão revelaram que o antígeno proteico induz a resposta dos anticorpos tanto a curto quanto a longo prazo.

Dessa forma, para os cientistas a nova sequência de proteínas fornece um meio padronizado, fácil e seguro de detecção dos padrões de anticorpos para a B. pseudomallei, com potencial para melhorar o diagnóstico sorológico da melioidose em contextos clínicos e em estudos epidemiológicos. Ainda assim, as diferentes cinéticas de anticorpos observadas durante a doença ainda requerem mais estudos que elucidem seu significado clínico e diagnóstico. A pesquisa foi publicada na edição de 18 de julho do Public Library of Science Neglected Tropical Diseases.