Qualidade da programação científica foi considerada o ponto alto do 46º CBAC

Pelas salas e corredores lotados, destacavam-se os elogios e comentários reforçando a qualidade da programação científica do 46º CBAC. Coordenador científico do congresso há 6 anos, o Dr. Marcos Fleury explicou que a comissão científica tem se preocupado cada vez mais em tornar o evento o mais eclético e diverso possível.

Segundo ele, a realidade dos laboratórios varia muito de região para região do país. Há unidades que já estão na sua 4ª geração de administradores, enquanto outras estão abrindo suas portas agora. O Congresso, de acordo ele, tem que ser proveitoso para todos eles, o que torna o desafio de estabelecer uma boa programação científica ainda maior.

Dr. Fleury disse que, embora a preocupação principal seja sempre propor conteúdos ligados à vivência prática e ao dia a dia dos laboratórios, é uma obrigação oferecer o máximo de inovação possível. “Nosso congressista pode estar certo de que em todas as edições do Congresso ele estará diante dos assuntos mais atuais e das principais tendências do mercado.”

Para descobrir as principais demandas dos laboratórios, ele explicou que são feitos levantamentos junto às delegacias regionais da Sbac sobre as necessidades e dificuldades relatadas pelos associados. Paralelamente, são feitos estudos e pesquisas sobre os assuntos mais debatidos na atualidade. A partir desses resultados, as sugestões de temas são encaminhadas para comissões temáticas, que definem a maneira como cada assunto deve ser abordado na programação.

“Ao mesmo tempo, temos que lembrar que nem sempre os proprietários de laboratório podem se ausentar por muito tempo da bancada. Então, o nosso desafio é colocar o máximo de conteúdo de qualidade possível, porém, sem encher demais e prejudicar o aproveitamento”, reforçou.

Na 46º edição do CBAC, houve o cuidado de evitar programar muitos temas simultâneos, permitindo que o congressista participasse de um maior número de atividades científicas. Alternar o horário do início das palestras também ajudou a garantir que o público tivesse tempo para aproveitar tudo o que o evento tem de bom, incluindo a Feira de Negócios.

“Seguimos nos esforçando para melhorar o Congresso cada vez mais. É sempre um desafio superar edições anteriores, principalmente quando elas são bem-sucedidas. Mas nós gostamos muito de desafios. Já estamos pensando no próximo”, finalizou Dr. Fleury.